3/13/2010

A cepa do mundo

Na calada da noite,
Descobro meus ecos.
No ouvido, silêncio elo olho do mundo.
Olha infinita sem nunca rever o fundo,
De tudo.
Imagens, suspensa em meios absurdos.
A porta imantada, em mistérios profundos.
No escuro fita o ar, apalpo o relevo,
Descobro o corpo, a cepa do mundo.





Um comentário:

ticarlos disse...

Muito bonito e sentido. Parabéns amiga!!